Textos | Poerônicas | Cronesias.

Mês: março 2014

Saudade genuína.

Saudade genuína.

Uma saudade daquelas de apertar o peito até parecer que o infarto já acabou. Um peso no centro, uma angústia por todos os lados, um vazio sereno. Eu acho que quando é sem motivo é sempre pior por que é saudade genuína, pura. Saudade da […]

Bia,

Bia,

  “É pliê, mãe. Fala pliê, mãe! Assim ó. Fala o PLI. Agora fala o Ê, mãe. Pliê.” “Você não entende nada disso, mãe” “Se você não deixar eu nunca mais vou querer ser sua filha e você vai chorar, mãe”   A lembrança ainda é fresca. […]