Textos | Poerônicas | Cronesias.

Mês: agosto 2012

Quando amadurecer é entender que há poucas respostas.

Quando amadurecer é entender que há poucas respostas.

A vida galopando num ritmo e intensidade que não consigo acompanhar. Já não sou mais rápida, já não tenho mais traquejo, aquela figura descolada que muita gente adorava desmaterializou-se. Puf! Virou fumacinha de café no coador de quinta se desfazendo na fervura das águas da […]

Saudade na fila do pão.

Saudade na fila do pão.

Estou na fila do pão. Quatro pessoas estão na minha frente. Um motoboy que trabalha na pizzaria da praça (mas o que ele faz aqui tão cedo?), uma senhorinha bem senhorinha, linda com o jornal embaixo do braço direito, uma menina ruiva e original com […]